quinta-feira, 10 de julho de 2008

Viagem ...O que importa é partir, não é chegar.


Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro.
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar...
(Só nos é concedida
Esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos.)

Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura...
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar.

Miguel Torga

4 comentários:

  1. hi mate, this is the canadin pharmacy you asked me about: the link

    ResponderEliminar
  2. Suas fotos som preciosas..Pasei por olhares.com e queria deixar um recadinho, nao deu certo.
    Fotografia me encanta e fascina.
    Es momento mágico, ver além do que a maioria vê.
    Da vida,revela além da aparência,revelar a alma do que parece no ter .

    Um abrazo desd a alma

    ResponderEliminar
  3. Belissima esta foto :) vou cá voltar

    ResponderEliminar
  4. Outra margem de mim
    Mafalda Veiga
    Composição: Mafalda Veiga

    É muito tempo a desejar o tempo
    De mudar ventos, levantar marés
    É muita vida a desejar o alento
    Que faz saber ao certo quem és

    É funda a toca onde te escondes tanto
    Tem a distância entre o silêncio e a voz
    A vida rasga bocadinhos gastos do mundo
    Vai descascando até chegar a nós

    A tu que sabes tanto de mim
    Tu que sentes quem eu sou
    Dá-me o teu corpo como ponte que me salva
    Do que o medo fechou

    São muitos dias a perder em vão
    Sem nunca entrar dentro de um labirinto
    É muita vida a não ser o que tu sentes
    A planar sobre o que eu sinto

    É quase noite, não te escondas mais
    Vai desatando até entrar o ar
    Dá-me um gesto que me diga o teu fundo
    Uma palavra para te tocar

    Tu que sabes tanto de mim
    Tu que sentes quem eu sou
    Dá-me o teu corpo como ponte que me salve
    Do que o medo fechou

    Tu que sabes tanto do sol
    E és uma de outra margem de mim
    Olha-me dentro como chão que me agarre

    Pode ser esta noite quente
    A estrada aberta mesmo à nossa frernte
    A tu e eu a descobrir o ar
    Não é preciso correr
    Não é urgente chegar
    O que é preciso é viver

    :P
    beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigado pelo vosso comentário.
Volte sempre.
Sissi